terça-feira, 28 de junho de 2016

Prefeito de Maricá fez autopromoção nas escolas, segundo pais de alunos

Recebemos esta semana inúmeras mensagens repudiando a tentativa de usar crianças da rede pública de ensino para disseminar suas propagandas políticas milionárias.

Alunos levaram para casa, em suas mochilas, um caderno do Jornal EXTRA, que contemplava propagandas dos "feitos" políticos da gestão Washington Quaquá. Mais uma ação de marketing político milionária, só que agora, usando crianças para distribuição.

"- Olá boa tarde gente estou muito indignada com essa política que dessa vez está usando crianças para fazer campanha política. Meus filhos estudam no município e ao abrir as mochilas para arrumar encontrei isso (foto do caderno do jornal EXTRA).", afirma uma mãe indignada que não quis se identificar.

"- Estão colocando essa revista nas mochilas das crianças nas escolas. Uma campanha política disfarçada. Imaginamos quanto que investiram nisso.", afirma um outro pai revoltado.

Na matéria paga em forma de caderno, com mais de 20 páginas, um trecho me chamou bastante a atenção. Washington Quaquá afirma: "Minha ERA não acaba com a minha saída!". Este sujeito se acha tão importante, acima do bem e do mal, que é capaz de adjetivar o período em que esteve a frente do executivo municipal como "A SUA ERA"! E quando afirma que sua ERA não acabará com a sua saída, deixa claro a sua intenção de se perpetuar no poder, só que agora, usando o seu fantoche como interlocutor de suas ações extremistas e ditatoriais, Fabiano Horta, bem como fez o ex-presidente Lula quando lançou a sua marionete Dilma para presidência.

Poderíamos dizer que nesse jogo de falsos gestores, Fabiano Horta é a Dilma do Quaquá. Na busca pelo PODER, qual seria o limite deste sujeito?

Fonte: Maricáos

Leia também:




0 comentários:

Postar um comentário

ITAIPUAÇU SITE - MÍDIA LIVRE E OFICIAL DE NOTÍCIAS DE MARICÁ - O Itaipuaçu Site reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião.