Quaquá vai denunciar Promotor do MP

O prefeito de Maricá, Washington Siqueira Cardoso, o Quaquá (PT), que tenta a reeleição, irá denunciar à Procuradoria Geral do Estado, o promotor Sérgio Luís Lopes Pereira , acusando-o de ser parcial durante a campanha eleitoral. O promotor teria intimado o motorista do candidato, Odilon Brito a depor sobre uma suposta acusação de planejar o assassinato da juíza Juliane Mosso Guimarães, da 55a Zona Eleitoral, que havia declarado o petista inelegível por oito anos, no final de junho.

“Segundo o promotor, uma testemunha teria ouvido uma conversa de bar, envolvendo o meu motorista e o tema da conversa seria o planejamento do assassinato da juíza. Esse depoimento motivou a promotoria a intimar o Odilon. Mas, essa acusação é descabida. Está havendo uma perseguição. Pedirei à Procuradoria que faça uma advertência ao promotor”, contou Quaquá.

O petista divulgou uma nota sobre o assunto: Eu (...)venho a público repudiar com veemência o comportamento do titular do Ministério Público (..).Além de dar crédito a acusações descabidas e sem fundamento, vem agindo com parcialidade no exercício de suas funções (...). Sinto-me profundamente ofendido por tal tentativa a nos associar a qualquer ato de violência contra quem quer que seja, muito menos contra agentes da justiça”.

Procurado pela reportagem, o MP não se pronunciou até o fechamento desta edição.
Quaquá foi declarado inelegível por ter distribuído cerca de 14 mil notebooks aos alunos da rede municipal de ensino em 12 de outubro de 2011 fazendo com o que os pais ou responsáveis assinassem um contrato de comodato por um ano, que poderia ser renovado ou não a critério do Município.

Fonte: A Tribuna

Comentários

  1. E por falar nisso, há pelo menos duas ações investigando ameaça de morte a TIAGO RANGEL e a RICARDO VIEIRA. Ambos denunciam o prefeito desde 2009. Tiago teve que sair da cidade. Quaquá anda com meia dúzia de capangas e ainda criou secretaria de segurança do prefeito... Entre um respeitado Promotor e um professorzinho-alpinista social e político de araque e vendido a José Dirceu, é claro que vamos ficar com o Promotor. Dá-lhe, promotor!

    ResponderExcluir
  2. A Juíza Patrícia Acioli foi assassinada por que seus colegas juízes, que presidiram o TJ, acreditavam que ela não corria risco de morte e portanto não atenderam ao pedido de escolta por ela feito. O promotor de justiça faz bem apurar os fatos pois a vida humana é imensurável e deve ser preservada a todo custo.
    Kuakua, vai catar caranguejo no Mumbuca e deixa a Justiça trabalhar!

    ResponderExcluir
  3. Maria Conceição5 de agosto de 2012 17:25

    Que jornalismo sujo, é esse feito por vocês.

    Não sou Quaquá de maneira nenhuma, não voto nesse cara, mas beira o ridículo esse tipo de perseguição feita por vocês, agora vindo com essa de que o cara quer assassinar a juíza.

    ResponderExcluir
  4. Prezada Maria Conceição, acho que a senhora está equivocada. Essa matéria não foi produzida pelo Itaipuaçu Site. Vê lá no final da reportagem que a senhora vai ler: FONTE: A TRIBUNA. Portanto, o 'IS' apenas a reproduziu.
    Um abraço e boa leitura!

    ResponderExcluir
  5. NOSSA Q BURRA! NEM SABE ENTENDER O Q LEU. O PRÓPRIO QUAQUÁ DISSE: "SEGUNDO O PROMOTOR,UMA TESTEMUNHA TERIA OUVIDO UMA CONVERSA DE BAR,..." A ESQUISITICE TODA PARTIU DE DECLARAÇÕES DO PRÓPRIO PREFEITO.

    ResponderExcluir
  6. Nada me surpreende vindo dessa guangue que se estaurou em marica, nunca na nossa história ouve um governo vinculado ao crime organizado esse e o modo PT de governar, poderiamos dissertar sobre essa rede de corupção intrigas e assasinatos são perversos criaram um estado dentro do estado são neu-facistas usão o sistema democratico para se perpetuarem atraves da compra de vereadores corruptos e da miseria do povo esse prefeitinho e 1 covarde, mentiroso e ladrão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

ITAIPUAÇU SITE - MÍDIA LIVRE E OFICIAL DE NOTÍCIAS DE MARICÁ - O Itaipuaçu Site reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião.