quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Ex-prefeito de Maricá é denunciado por formação de quadrilha

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), denunciou o ex-prefeito de Maricá, Ricardo José Queiroz da Silva e mais cinco pessoas por formação de quadrilha e por crimes da Lei de Licitações.

Segundo investigações do Gaeco em conjunto com policiais da 82ª DP (Maricá), por cerca de três anos, o grupo usou a empresa J.América Locações e Serviços Ltda para fraudar contratos de prestação de serviços para o Município, somando um prejuízo de quase R$ 1 milhão aos cofres públicos.

Os contratos, segundo a denúncia, eram de locação de equipamentos e manutenção de vias e endereços da cidade.

De acordo com investigações, o esquema de fraudes funcionava da seguinte forma: depois de contratar a empresa, que também tinha laranjas como sócios, o ex-prefeito firmava seguidos termos aditivos sob a justificativa de prorrogar os serviços e assim aumentar o valor cobrado pela citada empresa em percentuais acima do permitido em lei e em condições desfavoráveis ao município.

Em alguns casos, eram feitos até quatro termos do mesmo contrato. Além do ex-prefeito, foram denunciados Jarbas Irani Rodrigues Brizola, que ocupou o cargo de Secretário Executivo e de Integração de Maricá; os irmãos José Mauro da Rocha Pinto e Alberto da Rocha Pinto, ambos proprietários e administradores da empresa; além dos "laranjas" Milton da Silva Bento e Sandra Rangel Rodrigues.

Segundo a denúncia, em dezembro de 2000, após as eleições municipais em que Ricardo Queiroz foi eleito prefeito, houve a contratação da J.América, figurando como sócios de direito o denunciado Milton da Rocha Bento e mais uma pessoa.

No entanto, a empresa pertencia aos irmãos José Mauro e Alberto, que à época já constavam como sócios jurídicos de uma outra empresa, a ARP Comércio de Material Médico Hospitalar Ltda., que também participava de licitações e tinha contratos com o município de Maricá.

As investigações descobriram que Milton da Silva Bento, que era laranja na J.América, era funcionário da ARP Comércio e tinha ciência de sua atuação, ocultando os falsos proprietários.

José Mauro e Alberto, narra a denúncia, começaram a substituir os "laranjas". Em 2001, assumiu o pai dos denunciados, que morreu cinco anos depois, quando assumiu a sociedade Sandra Rangel Rodrigues, também funcionária da ARP Comércio.

Segundo investigações, em 2004, foi celebrado um contrato de locação de equipamentos e manutenção de logradouros, com vigência de quatro meses, com valor de R$ 635 mil, parcelado em quatro vezes. Em setembro, a J.América e a Prefeitura firmaram Termo Aditivo, aumentando a prestação mensal em quase R$ 3 mil.

Em dezembro, novo Termo Aditivo prorrogou a execução do projeto por mais dois meses, mantendo o mesmo preço. Já em fevereiro, as partes firmaram novo termo aditando o contrato por um mês, sendo o valor majorado em mais R$ 40 mil mensais.

Investigações apontam que pelo menos mais três contratos foram firmados nesses moldes. O esquema do grupo, segundo o GAECO, chegava também às sessões públicas de pregões presenciais.

Em outubro de 2005, uma empresa do setor de Engenharia, embora tenha apresentando menor preço, foi considerada inabilitada pela prefeitura sem que houvesse indicação dos motivos, sendo vencedora a J.América.

Ao longo dos três contratos com a J. América, os denunciados, em prejuízo aos cofres do Município de Maricá, deram ensejo a reajustes contratuais indevidos que elevaram o valor do serviço em mais de 140% , ao passo que a inflação acumulada no mesmo período não superou a marca dos 20%.

O Gaeco pediu o sequestro dos bens da empresa e o bloqueio e a indisponibilidade de todos os valores superiores a R$ 5 mil depositados em qualquer conta bancária dos denunciados, e o Juízo da 2ª Vara de Maricá autorizou.

Fonte: O DIA


2 comentários:

Anônimo disse...

Nove mil pessoas votaram neste indivíduo para prefeito de Maricá! Tem alguma coisa errada com essa democracia tupiniquim.

Anônimo disse...

é preciso terminar o império dos anões nesta cidade, hoje desconfio de todo político pequeno, como aquele deputado que ganhava sempre na loteria pra lavar dinheiro; aqui em Maricá começou com esse nanico do Ricardo ladrão queiroz, juntou com castor roedor, carinha e hoje temos o quaquá, junto de novo com o roedor castor, carinha e novamente com queiroz e o único que destoa do grupo é o carolino, mesmo escrachado pelo prefeito na época que o filho preso e publicado em jornal, aceitou a propina e permanecer na farsa de vitória e destruir adversário do larápio quaquá.
to de saco cheio de anão!

Postar um comentário

ITAIPUAÇU SITE - MÍDIA LIVRE E OFICIAL DE NOTÍCIAS DE MARICÁ - O Itaipuaçu Site reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião.