sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Idosa deficiente passa mal após descaso no atendimento da Ampla em Maricá


A única empresa concessionária prestadora do serviços de  fornecimento de energia elétrica aos proprietários e locadores das residências e comércios no município de Maricá, AMPLA, vem, já há muito tempo, irritando e esgotando a paciência dos usuários do serviço, em Itaipuaçu. 

Além das faturas de cobrança chegarem aos consumidores com valores astronômicos, o serviço e o atendimento aos clientes têm sido prestados de maneira criminosa e desrespeitosa. A falta de energia também tem sido uma constante, apesar desse fato sempre ter ocorrido nas épocas de veraneio, principalmente devido à falta de qualidade técnica e a quantidade de "gatos" existentes na região.

Hoje, por volta de 9h, Dona Maria Lúcia Fernandes, idosa de 75 anos, deficiente auditiva, moradora e proprietária de uma residência há cerca de 25 anos no bairro São Bento da Lagoa, passou mal após uma espera, que parecia interminável, de quase 40 minutos ao telefone. Por sorte, a idosa fora socorrida a tempo por seu filho, que havia chegado à sua casa naquele momento para uma visita e um café.

Cerca de uma hora depois, e mais calma, Dona Lúcia recebeu a visita da nossa equipe em sua residência e contou-nos que há duas semanas encontra-se presa em casa à espera dos funcionários da Ampla para a instalação de mais uma fase no seu relógio medidor de consumo, mas durante esse período, até hoje, ninguém apareceu. Então, resolveu ligar para o serviço de atendimento ao cliente da empresa a fim de checar o porquê da demora na conclusão do seu pedido.

_Meu filho, você não sabe o quão doloroso é pra uma pessoa que é surda ter de ficar com o celular colado a um aparelho auditivo escutando musiquinha com ruídos torturantes durante demasiado tempo. Para mim, isso que essa empresa faz com a gente, além de um descaso e um desrespeito, é um crime!, explicou ela ao nosso repórter, em tom de desabafo.

Entramos, em seguida, em contato com a concessionária Ampla, através do mesmo canal de atendimento, após aguardarmos durante 30 minutos, e uma atendente, identificando-se como Débora, disse-nos que no seu monitor de atendimento consta que uma equipe esteve no local por duas vezes mas que o cliente não foi encontrado (fato contestado pela usuária que, além de garantir que não se ausentou de sua casa um só instante, no primeiro contato que fez com a empresa, para a solicitação do serviço, avisou que era surda e especificou todos os procedimentos para receber os técnicos funcionários). 

A atendente ratificou a atualização do pedido de Dona Lúcia e concluiu, após informar o número do atendimento, dizendo que o serviço será realizado num prazo de até três dias úteis, contados a partir de hoje.


1 comentários:

Stefan Oliveira disse...

Acho que já vi esse filme! atá foi comigo, fiquei dois dias sem energia e mesmo após vierem ainda deixaram minha residência com menos uma fase, emfim dizem que já foram ao local e não vem, ficamos horas no telefone e ainda temos que pagar por esse serviço.
Queimou 10 lâmpadas eletrônicas na minha casa, a uma média de R$ 11,00 cada, quando liguei e fiquei horas novamente ao telefone o atendente disse que tria que fazer o pedido pelo site eo fiz após 15 dias que foi pedido e não resolvido liguei novamente e horas depois a atendente me informa que tenho que ir a uma loja da ampla com as notas fiscais (quem guarda nota de Lâmpada?)e uma série de documentos (como se não trabalhasse e pusesse ir a qualquer hora.
Enfim com muita raiva desliguei e liguei imediatamente para minha advogada, em breve os dois dias sem energia e as lâmpadas sairão caros para eles.

Postar um comentário

ITAIPUAÇU SITE - MÍDIA LIVRE E OFICIAL DE NOTÍCIAS DE MARICÁ - O Itaipuaçu Site reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião.