O degringolado carnaval de Maricá

Por Walter Monteiro - Ainda não há uma opinião definitiva sobre o carnaval em Maricá, mas o que se viu foi uma falsa alegria nos rostos dos jovens entorpecidos, deixando-se levar aos sons estridentes de marchinhas antigas, como “Alalaoô oooô  ouooouuu, mas que caloooôuu ouuô, no centro da cidade.

Na Praça Orlando Pimentel, junto ao muro da Casa de Cultura, a bandinha do seu “Zé do PT”, lá de Caxias, tocava essas velharias des-animando ainda mais o carnaval, enquanto algumas pessoas, de latinhas nas mãos, ziguezagueavam à procura da alegria quem sabe, escondida atrás dos trios elétricos contratados para desfilar e ficaram estacionados no terreno do bairro do flamengo, sem sair do lugar.

Claro, nem tudo é culpa dos promotores da festa e devemos admitir que a feiura da Vila nunca ajudou animar qualquer carnaval mas, sem enfeites a coisa fica pior, sem falar nos ambulantes de outras cidades, com suas barracas horríveis que emporcalham as ruas e praças com toneladas de copos e pratos descartáveis, papéis, camisinhas, restos de comidas e vômitos nos cantos dos muros e dos postes urinados.

Em todas as festas são sempre os mesmos que aparecem para retirar o pouco dinheiro da cidade e, no dia seguinte, São Gonçalo acorda mais rico, enquanto o maricaense nem consegue levantar com “dor de barriga” e sem dinheiro. Tudo de ruim se repete a cada ano e ninguém desperta para verdades, iludidos nas manchetes mentirosas, estampadas nos jornalecos do dia seguinte: “Maricá: melhor carnaval da Região dos Lagos”.

Os tempos mudaram e hoje não se vê mais um rosto conhecido nas ruas, como se o morador amedrontado se recolheu e entregou a cidade aos caras de bandidos, jovens mal encarados, sujos, cabelos sarará pintados de amarelo que, aliás, pareciam os únicos felizes ao sair, sabe-se lá de qual buraco e pular o carnaval numa cidade mais ou menos parecida com a deles, “ciscando igual pinto no lixo”.

Visto de cima, percebeu-se o abandono, escassas viaturas e poucos policiais na vigilância de uma imensa área de grandes problemas. Os guardas municipais desviando o trânsito, jovens despreparados, sem armas, alguns recrutas nos sinais, com seus apitos estridentes e as mãos sinalizando aos veículos acelerarem, na passagem rápida pelo sinal fechado.

Uma coisa é certa, tudo isso não começou agora, já faz parte de uma cultura antiga, tanto nas festas da padroeira, como carnaval ou réveillons, Maricá sempre foi uma cidade aberta a quem quiser explorá-la, ninguém se junta para defendê-la, permitem que seja espoliada, enquanto os “quinta colunas”, desde que receba “algum”, aceitam todo tipo de descalabro, alegrinhos e se julgando bem esperto.

Quanto à incompetência do governo só se pode dizer que os secretários de Cultura e Turismo falharam, poderiam ter um pouquinho mais de criatividade, sem danificar tanto seus neurônios, como enfeitar a cidade, colocar cartazes coloridos, dar aquele toque carnavalesco que encanta e alegra o espírito de quem passou o ano sofrido, aliás, seria o mínimo que poderiam dar, até para aliviar a dor no bolso de quem foi surpreendido com a “taxa de lixo” enfiada goela abaixo, pelo “muito obrigado seus otários” que votaram no PT.
Previous
Next Post »

2 comentários

Click here for comentários

ITAIPUAÇU SITE - MÍDIA LIVRE E OFICIAL DE NOTÍCIAS DE MARICÁ - O Itaipuaçu Site reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião. ConversionConversion EmoticonEmoticon

Thanks for your comment