quinta-feira, 28 de março de 2013

Novo hospital ficou só na promessa

Dizem que o povo tem memória curta. Mas pior que é verdade. Por isso, estaremos sempre aqui para fazê-lo lembrar das coisas.

Há quase três anos, no dia 29 de abril de 2011, o Prefeito de Maricá, Washington Quaquá, esteve em Brasília numa reunião com o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Nesse encontro, no qual participara também, à época o então secretário municipal de Saúde Carlos Alberto Malta Carpi, o Ministro Padilha comprometera-se a custear a construção de um novo hospital para o município. Na ocasião, Quaquá  apresentou ao ministro um projeto para tal construção num terreno às margens da RJ 106, ou seja: no terreno do quem sabe um dia, "tchê Guevara".

Desde então, nada aconteceu, a não ser o despejo de uma boa quantidade de aterro no local. Afinal, essa verba saiu, ou não saiu? De qualquer maneira, este ano o povo já sabe: não é o ano do hospital; é o do Carnaval!

3 comentários:

Anônimo disse...

O prefeito poderia muito bem arcar com todas as despesas de reforma do hospital de Marica, mas preferiu patrocinar "escola de samba" para o carnaval de 2014.Onde nós vamos parar e qual orgão tem a competencia para anular esse absurdo.Parabéns para todos que votaram nesse prefeito, e quando estiverem doente vai dançar na avenida que melhora.

Anônimo disse...

Hospital para que ?... Mais uma obra de péssima qualidade, hiperfaturada, para se transformar em outro Portal da Morte e depois de morto ter a certeza de ter os restos mortaias expostos a ceu aberto no cemiterio da cidade ?....

Ninitka disse...

Desde 2009,não ha notificação de óbitos no nosso hospital...então subentendesse que ninguem mais morre lá.Se alguem tem essa estátística,então mostre,pois eu posso ter recebido noticia falsa!
Nina de Itaipuaçu

Postar um comentário

ITAIPUAÇU SITE - MÍDIA LIVRE E OFICIAL DE NOTÍCIAS DE MARICÁ - O Itaipuaçu Site reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião.