terça-feira, 2 de abril de 2013

A educação maricaense ao som dos tamborins

Por Adilson Pereira - O ano de 2007 foi um marco para a educação brasileira. Para separar de vez a qualidade da educação dos discursos demagogos, que teimavam em politizar a educação, foi criado o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), com a finalidade de medir a qualidade de cada escola e de cada rede de ensino. O indicador é calculado no desempenho individual de cada estudante em avaliação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) e em taxas de aprovação. Segundo o Ministério da Educação (MEC), para que o IDEB de uma escola ou rede cresça é necessário que o aluno aprenda, não repita o ano letivo e frequente a sala de aula.
            O bom entendimento do parágrafo inicial já nos leva a idealizar o que está por vir, em se tratando de sistema educacional maricaense. A ideia é que pais e responsáveis, através de uma medição realizada a cada dois anos, acompanhem o desempenho da escola de seus filhos. Para tal, basta acompanhar o IDEB da instituição, que é apresentado numa escala de 0 a 10. Aqueles que o fazem, envergonham-se. Para melhorar, gestores acompanham e orientam o trabalho das secretarias municipais e estaduais pela melhoria da educação.   
            O índice vem crescendo a cada exame, na intenção de fazer com que municípios e estados atinjam nota 6,0,  até o ano de 2022, igualando-se à qualidade de ensino em países desenvolvidos (Em que nível estarão os europeus em 2022?). Para tal, o crescimento do índice obedece a um cronograma previamente estabelecido, projetado para que o desenvolvimento ocorra de forma suave e coerente. A partir das análises, o MEC ofereceu apoio técnico e financeiro aos municípios com índices insuficientes de qualidade de ensino, também disponibilizando recursos adicionais aos do Fundo da Educação Básica (FUNDEB) para investimento nas ações de melhoria do IDEB. Este é o “Compromisso Todos Pela Educação”.
            Não é nenhuma novidade que durante os governos Lula e Dilma Roussef, o Brasil passou a figurar a penúltima colocação no Índice Comparativo de Desempenho Educacional, integrante do projeto “Curva do Aprendizado”, entre 40 países testados. O Brasil, que teve pontuação de “-1.65”, foi incluído no grupo 5, onde estão as sete nações com a maior variação negativa em relação à média global.

Igualando-se ao fracasso nacional, o governo petista maricaense, em seus mais de quatro anos de poder, nunca conseguiu atingir as metas estabelecidas na média municipal, numa clara mostra da total incompetência de todos os comissionados envolvidos no modelo educacional maricaense. Os profissionais celetistas da educação e o Sindicato dos Professores de Maricá têm muito a dizer sobre isso.
            O atual vice-prefeito de Maricá, Marcos Ribeiro Martins, foi o secretário municipal de educação durante o período de medição dos atuais e alarmantes índices. Sua incapacidade de gerir a pasta educacional do município fica evidente no quadro demonstrativo, quando sua gestão conseguiu ser pior que a gestão educacional anterior, que atingiu a meta (em verde) da 4ª série (5º ano) no ano de 2007. A piora é evidente. Durante todo esse decadente período, o que vimos foi a desmoralização dos professores, em constante litígio com o modelo educacional cubano alardeado nos discursos demagogos de períodos pré-eleitorais anteriores. Os periódicos sindicais apelidaram o então secretário de educação de “Grilo Falante”, numa alusão ao fiel companheiro do mentiroso “Pinóquio”, por não cumprir nenhuma das promessas de campanha destinadas à educação municipal, nem mesmo a “transparência nas aplicações dos recursos destinados à educação”.
            Vale lembrar que o filho do atual prefeito de Maricá, Washington Quaquá, estudava numa das escolas particulares mais caras da cidade, com enormes índices de aprovação no vestibular. Às vésperas do período pré-eleitoral de 2008, o menino foi transferido para a conhecida Escola Municipal Carlos Magno L. de Mattos, na tentativa de dar solidez e consistência ao discurso socialista do pai, conforme editoriais de campanha. O que mais nos impressiona é que, mesmo com o filho matriculado na citada escola, o prefeito não conseguiu fazer com que a escola atingisse os índices mínimos estabelecidos pelo Governo Federal, pondo em risco o processo educacional do próprio filho, além de comprometer o futuro de todas as crianças do município, e enterrar na lama da mediocridade o sistema educacional desenhado aos moldes de Fidel.
            Não bastasse a aprovação de milhões de reais dos cofres públicos para o carnaval da escola de samba Grande Rio, mostrando qual a prioridade dos atuais governantes em Maricá, a Escola Municipal Benvindo Taques Horta, que leva o nome do avô do presidente da Câmara Municipal de Vereadores de Maricá, Fabiano Horta, situada em Ubatiba, está entre os piores resultados do IDEB na cidade, com notas tão pífias que não vale à pena publicar tamanha vergonha.
            Quando a subvenção a escolas de samba de fora do município, contrariando a Lei Orgânica do Município, aprovada com a anuência de vereadores da bancada evangélica, é equacionada em velocidade infinitamente superior aos problemas educacionais, nos confrontamos com um paradoxo pautado no paralogismo comum às aberrações da natureza humana. É penoso lembrar que tanto o prefeito Washington Quaquá, quanto seu vice Marcos Ribeiro Martins, são professores, ambos acusados pelo sindicato dos professores de “sucatearem as escolas”. E que a atual secretária municipal de educação de Maricá, Marta de Mello Quinan, com esta herança maldita em mãos, é esposa do ex-secretário e atual vice-prefeito. Diante dos fatos, nada mais a dizer... 

1 comentários:

Anônimo disse...

Alguém sabe dizer quantos analfabetos há no Japão, Corea do Sul, Alemanha, Noroega, Suécia e muitos outros países desenvolvidos?
Provavelmente nenhuma pessoa mentalmente sadia desses países é analfabeta. Estou desconfiado (na verdade eu tenho certeza) que isso é fundamental para o status de país desenvolvido que eles orgulhosamente ostentam.

Postar um comentário

ITAIPUAÇU SITE - MÍDIA LIVRE E OFICIAL DE NOTÍCIAS DE MARICÁ - O Itaipuaçu Site reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião.