quarta-feira, 1 de maio de 2013

Doação de R$ 3 milhões à Grande Rio e revolta moradores

Se a Rua 13, em Mumbuca, Maricá, fosse a Marquês de Sapucaí, os carros alegóricos ficariam atolados na lama. Apesar das mazelas do município — que incluem, além da falta de pavimentação, problemas na educação, saúde, transporte e coleta de lixo, a prefeitura vai patrocinar o desfile de carnaval da Grande Rio. Serão R$ 3 milhões para incrementar o enredo da escola em 2014, que tem a cidade como tema. Como jurados deste grande evento, a população rebaixaria Maricá ao Grupo de Acesso.

— A prefeitura só abre o bolso para coisas que não melhoram em nada a vida da população — lamenta a moradora Jana Maria Cardoso, de 56 anos, com os pés sujos de terra.

No bairro Amizade, a dona de casa Adriana Barcellos, de 41 anos, fica triste ao ver o valão de esgoto no seu quintal. Sua vizinha, Elexsandra Ferreira dos Santos, de 34, carrega Enzo, de 5 meses, e também reclama. Gripado, o pequeno não conseguiu atendimento na unidade de saúde do bairro, já que, na véspera de feriado de São Jorge, o posto fechou.

A ouvidoria do Ministério Público recebeu representações de moradores de Maricá sobre o repasse para a escola de samba de Caxias. Mas, como não há lei que proíba o uso de verba pública com publicidade, não pôde ingressar com ação civil pública. O órgão informou, no entanto, que, se o município alegar falta de recursos para obras ou serviços básicos, poderá pedir o imediato cancelamento do acordo com a agremiação e os responsáveis poderão ser punidos por improbidade administrativa


Na foto, Elexsandra lamenta ter encontrado o posto de saúde do bairro Amizade fechado
Na foto, Elexsandra lamenta ter encontrado o posto de saúde do bairro Amizade fechado Foto: Bruno Gonzalez Bruno Gonzalez / Agência O Globo

Processos
O município de Maricá figura como réu em ações civis públicas que cobram melhorias nas áreas da saúde, saneamento e educação. O próprio prefeito, Washington Luiz Cardoso Siqueira, o Quaquá, responde a 52 ações em 1ª instância do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), grande parte improbidade administrativa.

E março, Quaquá foi declarado inelegível por oito anos e poderá perder o cargo. A punição é referente a decisão do ano passado, quando o então candidato à reeleição teria usado de forma eleitoreira o Programa Renda Melhor. A Promotoria Eleitoral de Maricá alegou que o prefeito, ao distribuir 14 mil notebooks aos alunos da rede municipal, em 2011, buscou, “em evidente desvio de finalidade”, beneficiar-se eleitoralmente no pleito.

Quaquá está recorrendo no TRE e só perderá o mandato se a decisão for confirmada em instâncias superiores da Justiça.


Na foto, rua do bairro Mumbuca sem pavimentação
Na foto, rua do bairro Mumbuca sem pavimentação Foto: Bruno Gonzalez Bruno Gonzalez / Agência O Globo

Procurada pelo EXTRA, a enviou uma nota sobre os questionamentos:
A Prefeitura de Maricá informa que a decisão de investir no enredo da Escola de Samba Acadêmicos do Grande Rio não implica em menor atenção às prioridades da administração municipal. O objetivo da Prefeitura é alavancar a imagem da cidade e do seu enorme potencial turístico, no Brasil e no exterior, por meio da excepcional exposição na mídia com a transmissão em TV do carnaval carioca (a estimativa é que um bilhão de pessoas em 200 países assistam ao desfile).

- Ao mesmo tempo em que viabiliza a expansão da indústria do turismo, num momento em que investidores internacionais demonstram interesse em se instalar em Maricá, a Prefeitura realiza frentes de obras nos quatro distritos da cidade, além de avançar em investimentos essenciais, por exemplo, na área da Saúde.

- Nesse sentido, a principal medida já anunciada é o início da construção, este ano, do Hospital Municipal Doutor Ernesto Che Guevara, que será instalado na entrada da cidade, às margens da RJ-106. A nova unidade representa um investimento de R$ 16 milhões e terá 10 leitos de UTI, 19 enfermarias, nove salas de observação (seis para adultos e três para pediatria) e capacidade para atender uma população de 127 mil habitantes. Além do novo hospital, a Prefeitura está investindo R$ 2 milhões, em parceria com o governo federal, em obras de melhoria de 16 postos de saúde, incluindo a unidade do Bairro da Amizade.

- Além disso, apenas nos últimos dois meses foram pavimentados 10 km de ruas com recursos próprios, incluindo vias do bairro Mumbuca. Outros 10 km de vias estão sendo modernizadas em uma parceria com o governo do estado. Em 2012, mais de 71 km de ruas foram pavimentadas pela Prefeitura.

- Com relação ao Hospital Municipal Conde Modesto Leal, a secretaria municipal de Saúde afirma que não há falta de médicos na unidade. Por dia, 11 profissionais (4 clínicos, 2 cirurgiões, 1 anestesista, 2 pediatras e 2 ortopedistas) fazem o atendimento à população, segundo determinação do Conselho Regional de Medicina.

- Sobre o serviço de transporte no bairro Gamboa, a secretaria municipal de Transportes informa que notificou a empresa Costa Leste duas vezes e a multou essa semana por conta do péssimo serviço prestado na cidade.

Fonte: Extra

1 comentários:

Márcio Sodré disse...

Itaocaia Valey está largada pela prefeitura de Maricá...até de carro está ficando impossível transitar pelas transversais da Av. Itaocaia. Quado chove enormes poças e corredeiras de água fecham as ruas deixando a população sem opção de ter que passar no meio d lama.

Postar um comentário

ITAIPUAÇU SITE - MÍDIA LIVRE E OFICIAL DE NOTÍCIAS DE MARICÁ - O Itaipuaçu Site reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião.