segunda-feira, 17 de junho de 2013

Confederações: Gigantes vencem na estreia

Por William Amaral

Confira as manifestações e problemas nos estádios

Goleada na estreia. A seleção brasileira começou com tudo na Copa das Confederações! Jogando no estádio Mané Garrincha, logo com dois minutos de jogo, Fred ajeitou a bola na entrada da área para Neymar pegar de primeira e colocar o Brasil na frente. O Japão não conseguia criar boas oportunidades, assim como a seleção brasileira e o jogo foi para o intervalo. No início da segunda etapa, Paulinho recebeu pelo meio da área, bateu forte, o goleiro desviou, mas a bola morreu nas redes. No fim da partida, Jô recebeu passe açucarado de Oscar e definiu o jogo aos 47 minutos. Boa estreia do time de Felipão, mas ainda não dá para empolgar a torcida, devido à fragilidade da equipe japonesa.

Protesto dentro e fora do estádio. Do lado de fora do Mané, cerca de 600 manifestantes tentavam se aproximar do estádio, mas foram repelidos pela tropa de choque da PM. Balas de borracha e gás lacrimogêneo não faltaram. No fim, 19 presos e quase 30 feridos. No interior do estádio, o microfone estava com o presidente da FIFA, Joseph Blatter, e ao tentar discursar, levou uma chuva de vaias que o fizeram pedir respeito aos torcedores. Em seguida, a presidente, Dilma Rouseff, pegou o microfone e o coro de vaias aumentou. Visivelmente constrangida, Dilma declarou que a Copa das Confederações tinha início. Outro ponto no mínimo curioso foi a falta de água e refrigerante no entorno do estádio. Só eram vendidas cervejas das patrocinadoras da FIFA.

Ah! E Balotelli!!! Foi com esse grito das arquibancadas que a seleção italiana estreou com vitória sobre o México na Copa das Confederações, no estádio do Maracanã. Pirlo abriu o placar aos 25 minutos do primeiro tempo em linda cobrança de falta. Nove minutos depois, Giovanni dos Santos sofreu pênalti, que Chicharito cobrou para empatar. Aos 32 da segunda etapa, Balotelli recebeu pelo alto, ganho no corpo da zaga mexicana e bateu forte para marcar o gol da vitória. O atacante, que foi muito aplaudido ao ser substituído minutos depois, fez o que dele se esperava: habilidade, gol, confusão, discussão e cartão amarelo. Uma tarde de Balotelli para brasileiro ver. Nas próximas partidas: México x Brasil e Itália x Japão.

Entorno do Maracanã. No inacabado entorno do novo Maracanã, cerca de 1.500 manifestantes se encaminhavam para o estádio, quando foram parados pela tropa de choque da PM. Enquanto os manifestantes pediam que não houvesse agressões, a tropa atirou bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha sobre a população. A violência dispersou os manifestantes, que voltaram a se reunir na Quinta da Boa Vista. Lá, foram cercados e receberam mais agressões da tropa de choque.

Arrasadora. A Espanha estreou contra o Uruguai no Recife e certamente o resultado de 2 a 1 não reflete o que foi a partida. A Fúria esmagou a Celeste em seu próprio campo, com o tradicional “tic-tac” e fez o que quis no campo adversário. Perdeu alguns gols, mas teve o total controle do jogo. Pedro abriu o placar e Soldado ampliou. No fim, Suarez, de falta, diminuiu, mas era tarde para uma reação. Iniesta e Fabregas se destacaram com toque de bola e muita habilidade.

UFC. Rolou no sábado o UFC 161, o evento que foi prejudicado pelo cancelamento das lutas de Renan Barão e de Maurício Shogun, contou com o duelo de veteranos entre Rashad Evans e Dan Henderson na luta principal. Hendo chegou perto do nocaute no primeiro round, mas viu Evans crescer à medida que seu gás acabava. No fim, decisão dividida a favor de Rashad. O evento foi duro de assistir, com apenas duas lutas terminando antes do tempo regulamentar. Destaque para o combate entre Roy Nelson e Stepe Miocic, a finalização de James Krause sobre Sam Stout e o rápido nocaute de Shawn Jordan sobre Pat Barry.

0 comentários:

Postar um comentário

ITAIPUAÇU SITE - MÍDIA LIVRE E OFICIAL DE NOTÍCIAS DE MARICÁ - O Itaipuaçu Site reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião.