segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Flu perde com gol de Pato e entra no Z-4



Por William Amaral

Vasco e Santos: 2 a 2, Fogão perde e Fla empata

Derrota e zona. O Fluminense foi a Araraquara enfrentar o Corinthians, que não vivia bom momento, mas acabou sofrendo mais uma derrota e, de quebra, parou na zona de rebaixamento. Melhor no início, o Timão quase abriu o placar aos 2, em cabeçada de Douglas. O Flu respondeu com Wagner e o primeiro tempo se encaminhou para um 0 a 0 sem grandes oportunidades para ambas as equipes. Na segunda etapa, os dois treinadores fizeram muitas mudanças, mas a qualidade não subiu e as oportunidades foram raríssimas. Quando se esperava que o empate fosse imperar, Pato, aos 45, foi empurrado na área. O árbitro assinalou pênalti e o mesmo Pato cobrou para marcar o gol do jogo. Com a derrota, o time de Vanderlei Luxemburgo caiu para a 17ª posição, chegando à zona de rebaixamento, com os mesmos 36 pontos. Na próxima partida, o Flu tem tudo para voltar a vencer, uma vez que enfrenta o lanterna e “saco de pancadas”, Náutico, no Maracanã.

Resultado ruim, sentimento bom. Com apoio maciço da torcida, o Vasco recebeu o Santos em um verdadeiro caldeirão feito pelos torcedores cruzmaltinos, no Maracanã. O time começou mal, mas conseguiu empatar e sair da zona, com a derrota do Fluminense. Logo no início, um abalo para a torcida: Juninho saiu lesionado aos 7 minutos e pode nem mais jogar em 2013. O Santos assustava nos contra-ataques e Willian José por pouco não abriu o placar. Reginaldo também sentiu lesão e deixou o campo para a entrada de André. Aos 22, Bruno Peres carregou a bola com liberdade e mandou belo chute no ângulo de Alessandro. 1 a 0. Quatro minutos depois, Montillo cobrou falta pelo alto e Gustavo Henrique se aproveitou da linha de impedimento burra da defesa vascaína e ampliou. Um minuto depois, a reação. Fagner levantou bola na área, Edmilson tentou ajeitar para André, a bola espirrou na zaga santista e sobrou para o mesmo Edmilson, que bateu no ângulo e diminuiu. O primeiro tempo ainda reservou emoções para os dois lados e o jogo foi para o intervalo. Na segunda etapa, o Vasco foi com tudo pra cima. Marlone era o principal destaque e só não marcou um belo gol porque Aranha fez linda defesa. O jogo seguiu movimentado, com chances para os dois times. Aos 32, André recebeu de Edmilson, girou e bateu rasteiro. A bola foi rolando lentamente, até acertar o pé da trave e entrar. Empate comemorado por cerca de 55 mil torcedores. Foi só. O empate não foi um resultado bom para quem joga em casa, mas foi o suficiente para o Vasco deixar a zona de rebaixamento para trás. O time está na 16ª posição, com 37 pontos.

Derrota e decepção. O Botafogo foi ao Rio Grande do Sul enfrentar o Internacional e voltou com uma derrota e o risco cada vez maior de sair do G-4. A partida foi bem movimentada, com as duas equipes jogando ofensivamente. Edílson, pelo Botafogo e Fabrício pelo Inter chegaram perto de marcar. Depois dos 30 minutos, o Fogão cresceu e chegou muito perto de abrir o placar com Edílson, novamente, e Rafael Marques. Como quem não faz, leva, o Inter abriu o placar aos 39. Otávio aproveitou falha da marcação botafoguense e cruzou da direita. Bolívar falhou ao tentar cortar e a bola sobrou para Jorge Henrique, que bateu no alto, sem chances para Jefferson. Precisando do resultado, o Alvinegro voltou melhor e empatou logo aos 2 minutos. Seedorf cobrou escanteio no segundo pau, Rafael Marques tocou de cabeça para Dória, que, livre, testou para o gol. A comemoração não durou muito tempo, já que aos 5, D’alessandro cobrou escanteio pelo alto e Jackson se antecipou a Bolívar e testou para as redes. Depois disso, o Botafogo saiu mais para o ataque, mas o time não conseguiu produzir mais do que uma bicicleta de Elias, que passou por cima do gol. Foi só. Com o resultado, o time de Oswaldo de Oliveira se manteve com 53 pontos, vê o Goiás ao lado e a chance real de sair do G-4 e decepcionar, mais uma vez, sua torcida, que esperava lutar pelo título até o fim.

Empate que não vale nada. O Mengão recebeu, mais uma vez, o Goiás no Maracanã. Sem grande responsabilidade, o time de Jayme de Almeida empatou e segue no meio da tabela, com foco único na final da Copa do Brasil. Poupando alguns atletas, o Flamengo não teve um início bom, com o Goiás quase marcando aos 7 minutos. O Brocador, Rei do Maracanã, começou a aparecer ainda no primeiro tempo, mas viu suas finalizações serem salvas por Renan. Aos 31, Hugo recebeu o segundo amarelo e deixou o time visitante com um a menos. Aos 38, David acertou a trave de Paulo Victor e o jogo caminhou para o intervalo. No segundo tempo, o Flamengo veio mais disposto. Aos 5, Paulinho recebeu passe de Adryan e rolou para Hernane, que, de primeira, tocou para o gol, marcando seu 14º gol no Brasileirão. Apesar da superioridade técnica e numérica, o Fla sofreu o empate aos 17, quando Rodrigo aproveitou bola alçada na área e testou para o gol. As duas equipes ainda tiveram algumas chances, mas o resultado foi mesmo o empate. O Fla permaneceu chegou a 45 pontos e se encontra na 11ª posição.

UFC. No sábado, rolou o UFC Fight Night 32. Na luta principal, Vitor Belfort massacrou a lenda americana, Dan Henderson, em pouco mais de um minuto e despachou o gringo com um nocaute brutal, após uma sequencia de socos e um chute violento no rosto do adversário. Vitor deve disputar o cinturão dos médios contra o vencedor da revanche entre Anderson Silva e Chris Weidman. No Co-Main Event, o pupilo de Belfort, Cezar Mutante derrotou Daniel Sarafian em decisão dividida. Os brasileiros não tiveram uma noite feliz, com 5 derrotas diante dos gringos. A luta da noite ficou com Thiago Bodão e o russo Omari Akhmedov, que nocauteou o brasileiro no primeiro round, após quase ser apagado pelo mesmo. O evento teve um total de sete lutas terminadas no primeiro round e apenas duas decisões dos juízes.





0 comentários:

Postar um comentário

ITAIPUAÇU SITE - MÍDIA LIVRE E OFICIAL DE NOTÍCIAS DE MARICÁ - O Itaipuaçu Site reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião.