sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Em Itaipuaçu (Maricá), asfaltos eleitoreiros e superfaturados já estão se acabando

Com menos de dois anos de existência, o asfalto da Estrada de Itaipuaçu e da Rua Professor Cardoso de Menezes (antiga rua 1) já está em visível processo de deterioração. O pavimento, cuja obra começou em meados de 2011, visando as eleições municipais do ano seguinte, já se encontra tomado por buracos que podem causar graves acidentes a motoristas e, principalmente, motociclistas.

Enorme buraco na rua 1, próximo do
Terminal Rodoviário (Itaipuaçu)
Em fevereiro de 2012, o então vereador Paulo Maurício, numa entrevista ao jornal 'O Fluminense' sobre as obras, acusou o prefeito Washington Quaquá de superfaturamento. Segundo ele, a obra licitada em R$ 24 milhões em favor da empresa paulista EQUIPAV para pavimentar 14 km de estrada, custou R$ 1,7 milhão por quilômetro asfaltado. Na mesma entrevista, Paulo denuncia que a EQUIPAV foi beneficiada no processo licitatório por ter sido uma das financiadoras da campanha de Quaquá em 2008.

Paulo Maurício, ex-vereador, cassado
em 2012 por infidelidade partidária
Por mais incrível que possa parecer, o então vereador Paulo Maurício, dois meses após dar tal entrevista, teve o seu mandato cassado pelo TRE por infidelidade partidária e, em seguida, a convite do alcaide, virou seu homem de confiança e ainda o ajudou na reta final da campanha, coordenando a obra de pavimentação da rua 35, no bairro Jardim Atlântico, concluída poucos dias antes do pleito. É preciso sublinhar o fato de que, hoje, a rua 35 encontra-se cheia de buracos e remendos.

Confira a reportagem do O Fluminense com a entrevista do ex-vereador Paulo Maurício.




1 comentários:

Anônimo disse...

O problema em nosso país não é a falta de recursos e sim a falta de caráter de nossos governantes.

Postar um comentário

ITAIPUAÇU SITE - MÍDIA LIVRE E OFICIAL DE NOTÍCIAS DE MARICÁ - O Itaipuaçu Site reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião.