quarta-feira, 8 de abril de 2015

Em Maricá, os políticos corruptos estão acima da lei

Texto de Marcelo Bessa | POLÍTICA & CORRUPÇÃO - Maricá, apesar de sua receita com os "royalties" do petróleo, ainda é um município muito atrasado. Desde o início da gestão de Washington Siqueira, o "Quaquá", do PT, a cidade vem se estacionando gradativamente à base de falsas promessas, mentiras e corrupção.

A tão anunciada 'internet grátis da prefeitura', por exemplo, foi um dos maiores escândalos ocorridos nos primeiros anos do governo petista. O esquema, comandado pela ex-secretária de administração Maria Helena (indicada pela cúpula nacional do partido), priorizava a implantação do programa Cidade Inteligente. A iniciativa, com verba do governo federal, acabou não acontecendo e até hoje ninguém sabe aonde foi parar o dinheiro.

Em 2011, depois de muita turbulência na câmara municipal, inclusive com uma frustrante votação de "impeachment" contra o prefeito Quaquá, a ex-secretária foi questionada em audiência pública onde teve que dar uma série de explicações sobre sua suspeitíssima atuação na administração municipal, além de sua suposta ligação com o cacique petista José Dirceu.

Pouco tempo depois, o delegado titular da 82ª DP , Dr. José William de Medeiros, abriu inquérito para investigar irregularidades caracterizadas por crime de usurpação de poder ocorrido durante uma sessão extraordinária na Câmara Municipal e mandou intimar os envolvidos, entre eles o prefeito, nove vereadores e dois secretários. O fato aconteceu durante as férias parlamentares de julho de 2011, quando o prefeito Washington Quaquá (PT) convocou os vereadores, em sessão extraordinária, e, na surdina, aprovaram, por unanimidade, créditos suplementares na ordem de R$ 160 milhões.

No ano seguinte, em 2012, o vereador Claudio Ramos (PDT), opositor ferrenho ao governo na câmara, certa vez, em sessão plenária, denunciou um esquema ilegal envolvendo o prefeito Quaquá e membros do seu governo. A denúncia de formação de quadrilha só não foi oficializada naquele momento em virtude do cancelamento da sessão por falta de quórum. Apenas cinco vereadores haviam comparecido.

Quaquá, Delgado e Maria Helena
desviaram R$ 35 MI, segundo denúncia
Cláudio Ramos informou que o prefeito, o ex-secretário de Educação, na época candidato a vice-prefeito, Marcos Ribeiro, o secretário de Obras Paulo Delgado e a secretária de Administração Maria Helena desviaram dos cofres da prefeitura municipal, através de licitações fraudulentas, mais de 35 milhões de reais, que beneficiaram as empresas de um licitante, tal de Marcelo Chagas Viana.

Na denúncia, o vereador disse que houve corrupção ativa com pagamento de propina para facilitar a aprovação de diversos contratos licitatórios – publicidade, sinalização e terceirização de mão-de-obra – para oito empresas, cujos endereços eram os mesmos (Estrada do Baldeador, 550, Niterói), e o nome de Marcelo Chagas Viana aparecia como sócio em todas elas. Saiu até uma reportagem no jornal de domingo do O GLOBO. De acordo com a matéria, Quaquá mantinha ligação direta com Marcelo Viana e que um suposto esquema de fraudes nas licitações ocorria para financiamento de propina mensal a fim de se construir o fundo de campanha.

O vereador Claudio Ramos sobe à
tribuna e denuncia esquema
(Foto: Marcelo Bessa / Itaipuaçu Site)
Claudio Ramos também afirmara que as ligações entre o empresário e o prefeito Quaquá resultou "na montagem de um esquema sofisticado e audacioso para o desvio de dinheiro público com objetivos de captar fundos para financiar a campanha eleitoral."

O delegado de Maricá, José William de Medeiros, que já investigava o caso dos R$ 160 milhões, juntamente com o Ministério Público, através da Dra. Renata Scarpa, ficou de fazer as investigações. Porém, poucos meses depois, misteriosamente, a então secretária Maria Helena escafedeu-se da cena. Disseram, na época, que ela havia se exonerado para cuidar dos negócios de outro município no interior do estado da Bahia. Não tardou muito, ambos os casos e inquéritos acabaram sendo esquecidos, pois, segundo informações, "deram" um jeito de afastar o delegado, que acabou sendo transferido para  uma outra delegacia no bairro de Copacabana, no Rio.

Quaquá se reelegeu e desde então, parece que tudo foi esquecido e engavetado...








5 comentários:

Anônimo disse...

O pior disso tudo e que uma parcela dos moradores de itaipuaçu, se deixa levar por essas pequenas obras e ações sociais de baixo custo. Como pode aqui, não possuir nem uma agência bancária, s politica podre do pato prefeito deve estar por trás. Não temos um Hospital, segurança, e ainda uns imbecis elegem esse m........, as eleições vem aí e o futuro e sombrio.

Anônimo disse...

PT, a maior quadrilha do Brasil, infelizmente ante tantas falcatruas e aparelhamento do estado, só a ponta da baioneta para dar um basta na desordem que se instalou no Brasil, e ainda tem gente que chama isto de democracia.

Anônimo disse...

NÃO AGUENTO MAIS OLHAR PARA A CARA DESSE TAL DE QUAQUÁ. QUERIA SABER PORQUE A POLICIA FEDERAL NÃO INVESTIGA ESSE CARA E TODA ADMINISTRAÇÃO DO PT EM MARICÁ. VAMOS DENUNCIAR PARA TODOS OS ÓRGÃOS,TCRJ, TJRJ, MPRJ, PFRJ, ETC, ETC.

Anônimo disse...

Antes do PT em Maricá havia o PMDB e a situação do município não era muito diferente. Depois do PT haverá outro Pnãoseidoquê que continuará com essa política de atirar migalhas ao povo e saquear os cofres públicos. Até quando as pessoas vão se omitir de sua responsabilidade de eleger pessoas decentes para governar o que é público?

Anônimo disse...

Ao "hater" de 12 e 19 fica o conselho: compre um saco de pancadas e descarregue sua fúria lá!

Postar um comentário

ITAIPUAÇU SITE - MÍDIA LIVRE E OFICIAL DE NOTÍCIAS DE MARICÁ - O Itaipuaçu Site reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião.