terça-feira, 15 de setembro de 2015

Maricá: Em Inoã, comissionados chamam a Polícia para reprimir beneficiários do MCMV


REPORTAGEM :: MARCELO BESSA - Apesar do tempo chuvoso, o clima esquentou para algumas poucas beneficiárias do programa Minha Casa Minha Vida, na manhã desta segunda-feira, em frente ao condomínio recém construído e entregue pela própria presidente Dilma, Residencial Carlos Alberto Soares de Freitas, no bairro de Inoã, em Maricá.

As novas proprietárias, que já encerraram os seus contratos de moradia junto aos proprietários, preocupadas com o repentino reagendamento das datas de suas mudanças, chegaram ao empreendimento por volta das 10 horas e, para surpresa delas, logo no portão de entrada depararam com um forte esquema de segurança montado por um grupo de comissionados da Prefeitura.

Segundo informações, no dia anterior (domingo), através de um grupo no aplicativo 'whatsapp', elas haviam combinado o encontro, mas parece que a informação vazou. A intenção das beneficiárias era a de tentar colher alguma informação sobre o motivo real do adiamento das mudanças, já que elas estiveram recentemente no prédio da coordenadoria do programa habitacional e a informação passada foi a de que a efetivação das mudanças dependia apenas da emissão do CNPJ do condomínio.

Robson Giorno conversa com as beneficiárias na entrada do
condomínio (Foto: Marcelo Bessa / Itaipuaçu Site)
Logo de início, houve alguma discussão, pois todas foram impedidas de entrar no condomínio para visitar os seus apartamentos. O clima ficou mais tenso ainda com a chegada do pré-candidato a prefeito, Robson Giorno, que tem dado apoio às beneficiárias. Um dos comissionados, identificado como "Monteiro", pôs mais lenha na fogueira, fazendo pouco caso das beneficiárias e desrespeitando acintosamente o pré-candidato.

"Candidato a prefeito? Hahaha...isso é piada?", provocou o comissionado.

"Você pode até fazer pouco caso da minha pessoa, mas deveria ter mais respeito com as pessoas e com a população de Maricá", rebateu Giorno.

"Esse povo não é nada!", concluiu o comissionado.

Os comissionados da Prefeitura
 (Foto: Marcelo Bessa / Itaipuaçu Site)
Ressabiado, Robson questionou o secretário da pasta (Direitos Humanos e Participação Popular), Mauro Alemão, também presente no local, de que a problemática estivesse girando em torno apenas da falta do CNPJ. Segundo Giorno, havia também informações desencontradas em relação à água. Por sua vez, o secretário negou, afirmando que não havia falta d'água. Porém, minutos depois um veículo com um funcionário da Cedae adentrou ao condomínio para, segundo o próprio, verificar as ligações hidráulicas. Nesse instante, supostamente, uma comissionada teria chamado a Polícia.

Após chamarem a Polícia, os
comissionados ficaram à espreita
 (Foto: Marcelo Bessa / Itaipuaçu Site)
Momentos depois, a coordenadora do programa, Lene de Oliveira, apareceu e conversou reservadamente com Mauro e Robson e o fogo aparentemente teria se apagado. A partir de então, a entrada das beneficiárias foi autorizada. Concomitantemente a todos esses acontecimentos, os comissionados mantiveram-se à margem da cena, e à espreita, em grupinho, aqui e acolá, tentando se esconder das câmeras.

Policial conversa com a coordenadora
e uma comissionada 
(Foto: Marcelo Bessa / Itaipuaçu Site)
Quando tudo já parecia estar resolvido e harmonioso, um carro da Polícia Militar, de Niterói, entrou no condomínio. Segundo os policiais, eles haviam sido acionados pelo "190". Uma mulher que estava junto com os comissionados se destacou do grupo e foi conversar com os policiais. Nesse instante, o secretário, a coordenadora e o pré-candidato tentaram amenizar a situação dizendo que já estava tudo resolvido. Mas o policial, aparentando irritação pelo tempo perdido, resolveu registrar o ocorrido:

"Ok, senhores e senhoras, entendo a situação, mas eu vou ter de concluir o meu trabalho, portanto, terei que qualificar as partes. Por gentileza, identidade e CPF..."



Nota do editor

De acordo com a coordenadora municipal do programa Minha Casa Minha Vida, Lene de Oliveira, o reagendamento das datas de mudança aos beneficiários é devido à falta de CNPJ em alguns setores do condomínio em virtude do descumprimento de algumas exigências do projeto. Além disso, segundo ela, a Cedae ainda não executou os testes de vazão das tubulações e registros d'água.

"Nós não queremos que aconteçam os mesmos problemas ocorridos no empreendimento de Itaipuaçu. Estamos preocupados e trabalhando para que não haja mais nenhum constrangimento aos beneficiários", declarou a coordenadora, com exclusividade ao ITAIPUAÇU SITE.

Veja também:

'Minha Casa Minha Vida': Em Maricá, beneficiárias de Inoã protestam contra descaso da Prefeitura






0 comentários:

Postar um comentário

ITAIPUAÇU SITE - MÍDIA LIVRE E OFICIAL DE NOTÍCIAS DE MARICÁ - O Itaipuaçu Site reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião.